Guia para um
namoro feliz

Quem já se apaixonou e foi correspondido sabe bem o quanto é delicioso viver uma paixão. Infelizmente, algumas experiências de namoro podem não ser tão empolgantes nem tão gostosas como as paixões em que ambos os parceiros se tratam bem.

Você sabia?

Oito entre dez relacionamentos de namoro entre jovens brasileiros apresentam algum tipo de violência.

%
sofreram violência verbal
%
sofreram violência sexual
%
sofreram violência física

Fonte: Oliveira, Q. B. M., Assis, S. G. de., Njaine, K., & Oliveira, R. V. C. de. (2011). Violência nas relações afetivo-sexuais. In M. C. S. Minayo, S. G. Assis & K. Njaine (Eds), Amor e violência: um paradoxo das relações de namoro e do “ficar” entre jovens brasileiros. (pp. 87-139). Rio de Janeiro: Editora Fiocruz.

Amar faz bem à sua saúde!

Gostar de alguém e ser correspondido(a) é uma sensação maravilhosa e fundamental para o estado de saúde geral dos seres humanos. Estudos comprovam que pessoas que vivem uma relação feliz são mais saudáveis que aquelas que estão sozinhas ou que vivem uma relação difícil.

Quando gostamos de alguém de forma apaixonada, aprendemos a cuidar dessa pessoa, a ser mais atenciosos(as) e sensíveis às necessidades dela. Da mesma forma, quando está apaixonado você fica de bem consigo mesmo(a) e isto se remete a outras relações sociais e pessoais. É como se a alegria da paixão se expandisse para outros relacionamentos e áreas da vida.

É aí que entramos!

O projeto “SOS Namoro: Guia para um Namoro Feliz” é voltado para adolescentes e jovens que estejam namorando (sério ou não tão sério assim…). Seu objetivo é melhorar a qualidade das relações de namoro, aumentando o companheirismo e a segurança na relação e, além disto, evitar que os conflitos do dia-a-dia acabem em ofensas, agressões e maus tratos que possam vir a destruir a confiança e distanciar os parceiros.

Se você quiser participar, você vai responder a alguns questionários e, em seguida, receberá orientações sobre como melhorar o seu relacionamento e proteger-se de maus tratos no namoro. É quase como se estivéssemos conversando com você.

Quem somos

Somos especialistas em educação em saúde mental e buscamos compartilhar conhecimento derivado de pesquisas em psicologia para melhorar os relacionamentos. Este é um projeto do Grupo de Estudos em Prevenção e Promoção de Saúde no Ciclo de Vida, vinculado ao Instituto de Psicologia da Universidade de Brasília. Este projeto foi desenvolvido em conjunto com a Universidade de Maastricht (Holanda). Contou com fomento do CNPq e CAPES.

Antes de começar, precisamos que você saiba como esta pesquisa funcionará.
Abaixo vão respostas para algumas dúvidas que você possa ter:

O SOS Namoro é um projeto de intervenção criado por pesquisadores da Universidade de Brasília. Seu objetivo é auxiliar que pessoas vejam os pontos positivos e negativos de seu relacionamento, prevenindo fenômenos como a violência no namoro e o namoro abusivo. O projeto é destinado para qualquer pessoa que esteja namorando e é indicado, principalmente, para jovens. Este projeto foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa em Ciências Humanas e Sociais da Universidade de Brasília (CAAE 71749317.9.0000.5540).

Os(as) participantes responderão a uma avaliação inicial. Em seguida, serão divididos(as), de forma aleatória, em dois grupos. Se você for sorteado(a) para o primeiro grupo, você receberá orientações e exercícios de autoconhecimento para melhorar o seu relacionamento. Caso você seja sorteado(a) para o segundo grupo, você receberá orientações, baseadas no seu perfil informado na sua avaliação inicial, sobre como melhorar o convívio com seu(sua) parceiro(a). Você usará em torno de 15 a 30 minutos, uma ou mais vezes na semana se preferir, ao longo de quatro semanas. Aos três meses após a quarta semana, um questionário será enviado para você para que possamos avaliar os resultados desta ferramenta. Lembretes serão enviados para seu email, caso você se esqueça de responder.

Você pode participar do projeto clicando aqui. Você só terá que fazer o cadastro em nosso site e pronto! Depois disso, pode começar a intervenção. Ao final do período do projeto, enviaremos um questionário a todos os participantes para avaliarmos as mudanças em seus relacionamentos. 

Essa intervenção pode te ajudar a compreender melhor as características do seu relacionamento. A longo prazo, esperamos atingir muitos jovens, prevenindo a violência no namoro e promovendo namoros que causem alegria e bem-estar.

Não, a qualquer momento você pode desistir de realizar a intervenção, sem qualquer prejuízo para você. Lembre-se de que sua participação é voluntária e não envolverá recompensa financeira ou prejuízo de qualquer tipo.

Não existe nenhum risco, pois todos os seus dados são confidenciais. Pode ficar despreocupado(a)! Nós, pesquisadores, podemos utilizar os dados que você compartilhou para fins de pesquisa, mas nunca iremos identifica-lo.

Murta, S. G., Moore, R. A., Miranda, A. A. V., Cangussú, E. D. A., Santos, K. B., Bezerra, K. L. T., & Veras, L. G. (2016).  Efeitos de um programa de prevenção à violência no namoro. Psico-USF, 21(2), 381-393.

Santos, K. B. & Murta, S. G. (2016). Influência dos pares e educação por pares na prevenção à violência no namoro. Psicologia: Ciência e Profissão, 36(4), 1-14.

Murta, S. G., Bucher-Maluschke, J. S. N. F., & Diniz, G. R. (Eds) (2015). Violência no Namoro: Estudos, Prevenção e Psicoterapia. Curitiba: Editora Appris.

Murta, S. G., Ramos, C. E. P. L., Tavares, T. N. G., Cangussú, E. D. A., & Costa, M. S. F.  (2014). Desenvolvimento de um website para prevenção à violência no namoro, abandono de relações íntimas abusivas e apoio aos pares. Contextos Clínicos, 7(2), 118-132.

Murta, S. G., Santos, B. R. P., Nobre, L. A., Araújo, I. F., Miranda, A. A. V., Rodrigues, Í. O. & Franco, C. T. P. (2013). Prevenção à violencia no namoro e promoção de habilidades de vida em adolescentes. Revista de Psicologia da USP, 24(2), 263-288.

Murta, S. G., Santos, B. R. P., Martins, C. P. S., & Oliveira, B. (2013). Prevenção à violência no namoro: uma revisão de literatura. Contextos Clínicos, 6(2), 117-131.

Murta, S. G., Ribeiro, D. C., Rosa, I. O., Menezes, J. C. L., Rieiro, M. R. S., Borges, O. S., Paulo, S. G., Oliveira, V., Miranda, V. H., Del Prette, A., & Del Prette, Z. (2012). Programa de habilidades interpessoais e direitos sexuais e reprodutivos para adolescentes: um relato de experiência. PSICO-USF, 17, 21-32.

Murta, S. G., Rosa, I. O., Menezes, J. C. L., Rieiro, M. R. S., Borges, O. S., Paulo, S. G., Oliveira, V., Ribeiro, D. C., Del Prette, A., & Del Prette, Z. (2012). Direitos sexuais e reprodutivos na escola: avaliação qualitativa de um estudo piloto. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 28, 335-344.

Parada, P. O. (2017). O processo de término de namoros violentos e transição para novas relações. Dissertação de Mestrado, Universidade de Brasília, Brasília.

Santos, K. B. (2016). Mobilizando comportamentos de ajuda na rede de amizades: uma estratégia de prevenção à violência no namoro baseada nos pares e na abordagem do espectador. Tese de Doutorado, Universidade de Brasília, Brasília.

Libertando-se de namoros violentos: um guia sobre o processo de abandono de relações amorosas abusivas. Editora Sinopsys.

Autores: Murta, S. G., Ramos, C. E. P. L., Tavares, T. N. G., Cangussú, E. D. A., & Costa, M. S. F.

Diferenciando baladas de ciladas: um guia para o empoderamento de adolescentes em relacionamentos íntimos. Editora Letras Livres.

Autores: Murta, S. G., Santos, B. R. P., Nobre, L. A., Oliveira, S. A., Diniz, G. R. S., Rodrigues, Í. O., Miranda, A. A. V., Araújo, I, F., Del Prette, A. & Del Prette, Z. A.

Entrevista dada ao Programa Diálogos UnBTV: https://www.youtube.com/watch?v=iYw07mCYMGg

Tudo pronto? Então vamos lá!